Arquivo mensal: janeiro 2015

Passos de Soul no Tango

Melodia irretocável de um tango argentino me faz elaborar
Uma dança de passos em que precisarei de um par
Para a noite dançar, e pela madrugada embalar
Até a vitrola não tiver mais como tocar

Nas inaudíveis notas altas de um tango trágico
Me diversifico e invento meus passos
Que não procuro em outros atos,
Só de minha alma que tem a música
Como uma parte inseparável.

Danço sozinho, ou chamo os vizinhos;
Todos e tudo viram par nesse mundo irredutível.
Desmitifico e deixo de me sentir igualzinho
aos moradores de rua e os cães latindo.
Já não sou mais composto por décimos
De verdades exatas que confundem o cérebro.

A vitrola fala em línguas de mistério,
Sua melodia é a fala que alimenta meu ego,
Qual será a receita desse adultério?
Que me faz querer trair a vida de lisérgio?

Ouvindo o Ego

Ressoa pelos caminhos da alma
Uma voz que vem de dentro,
Em que suas palavras não saem em alto tom
Que mesmo assim determinam
o seu bom tom.

Sua métrica não encontra rimas
Só segue sinas que podem te pôr em várias vidas,
Sem precisar vivê-las.
Num abstrato que é moldurado com laços
e pintado com sangue.

Tal voz suplica e insiste ser criadora da vida,
Mas prefiro enxergar só o que há na vida.
Sonhar acordado dá sono e deixa cansado,
E dormir sem sonhos é acordar todo dia exausto

Ser amigo da sua sombra
É ser iluminado pelo brilho da grandeza própria,
Que constrói edifícios que não são derrubados
Nem pela martirizante vontade própria;
É prezar acima de tudo
A transformação da vida numa prosa
Que te identifica
Ante vozes inócuas.